Anastácio Dias

Consulte seu médico regularmente                            Marque sua consulta!

(85)3224-5526

O que é urocultura?

  • PDF

O que é urocultura?

É a cultivo de urina utilizada para verificar a presença microorganismos localizados na urina, uretra e nos rins. O resultado é considerado positivo quando são isolados 100.000 colônias (termo de identificacaçãodas bactérias) de microorganismos por 1ml de urina e dessa forma constatar à infecção do Trato Urinário.

Que doenças são diagnosticadas na urocultura?

Neste exame podemos diagnosticar a infecção do Trato Urinário das vias baixas (Uretrite – doença inflamatórias e infecciosas da uretra e Cistite – doença inflamatórias e infecciosas da bexiga) e das vias urinárias altas (Pielonefrite – doença infecciosa do trato urinário ascendente que atingiu a 'pielo' (pelve) do rim).

Pode ocorrer um resultado falso?

Pode haver sim um resultado falso-positivo. Isso ocorre quando há a contaminação da urina, no momento da colheita por fluido vaginal, ou secreção uretral ou na presença de certos componentes como sangue e drogas.

Outra possibilidade é de haver exame com resultados falso-negativos quando há baixas de nitratos por alimentação deficiente em vegetais ou o paciente apresenta um destas situações:

- Uso de antimicrobiano (antibacteriano ou antifúngico) quando existem focos infecciosos renais fechados, como Pionefrose associada a cálculos obstrutivos;

- Uso de diuréticos;

- Dieta sem a presença de vitamina C;

- Concentrações anormais de Urobilinogênio

- pH urinário abaixo de seis (muito ácido).

Outra possibilidade, esta mais específica: quando o paciente apresenta infecção causada por estafilococo saprofítico que necessita de meios especiais de cultura para seu crescimento e diagnóstico.

Tenho que fazer jejum antes de fazer esse exame?

Jejum não é necessário. Porém deve-se ter uma orientação alimentar antes da colheita da Amostra de urina. A alimentação pode prejudicar a execução do exame, pois pode alterar cor, densidade (número de partículas dissolvidas), pH (acidez da urina), quantidade de íons, uréia e outros elementos.

Evita-se ingerir: Café, refrigerantes, chás, doces e se possível nenhum medicamento.

Tem uma maneira ideal para coleta da urina para que eu não prejudique o diagnóstico?

A urina coleta é a primeira da manhã, antes se deve fazer a higienização para não haver nenhuma alteração.

Procedimentos de coleta:

ü Em homens:

A higiene deve ser feita retraindo o prepúcio, deixando assim a glande exposta. Logo se utiliza uma gaze com um pouco de soro fisiológico passando levemente. Espera secar e assim promover a micção.

Importante antes de colher dar o primeiro jato (10 a 15ml) para que não recolha a secreção matinal. Recolhe –se para o exame o jato médio (50 a 100ml) que proporciona uma amostra limpa num frasco estéril.

ü Em mulheres:

A paciente deve ser colocada em posição de litotomia. Após necessária a higienização do local com uma gaze com um pouco de soro fisiológico. Para que não haja contaminação, a gaze deve ser passar do sentido da uretra em direção ao ânus. Após a higiene local, os grandes lábios são mantidos afastados e a paciente inicia-se a micção. Neste caso também elimina a primeira micção (10 a 15ml) e recolhe a micção média (50 a 100ml) num frasco estéril.

Caso a paciente não esteja conseguindo pode haver a ajuda das manobras por uma pessoa treinada para isso.

ü Em Crianças:

Em crianças maiores poderá tentar a coleta semelhante ao dos adultos. No caso de crianças menores temos que utilizar o método mais específico. Um dele é o caso reflexo espiral de Perez que consiste na estimulação da região lombar da musculatura local, estando a criança na posição de decúbito horizontal ventral (deitada de barriga para baixo). Não esquecer de fazer a higienização respectiva ao sexo da criança. Geralmente a micção espontânea ocorre dentro de 5 minutos. Assim que a criança começa a urinar deve-se recolher a urina dentro de um frasco estéril.

Outra possibilidade é o método da aspiração suprapúbico (acima da região do púbis). O abdome é esterilizado com uma solução anti-séptica e introduz-se uma agulha a 2 cm acima da sínfise púbica (parte óssea da região do púbis). Quando chegar à luz vesical (interior da bexiga) aspira a urina. Está manobra é considerada de exceção pela maioria de profissionais.

Como é a análise desse exame?

Nesse exame serão discutidos alguns tópicos como:

ü Exame Quantitativo: Análise das características gerais com o volume, a cor, o aspecto, depósito, densidade e o cheiro.

ü Exame Químico: é um fator muito variável que está diretamente relacionado com a alimentação. Será levado em consideração: reação e pH, pesquisa de substancias diversas como: proteína, glicose, corpos cetônicos e pigmentos biliares.

ü Exame microscópico do sedimento urinário: neste estudo deve-se ser recolhida uma certa quantidade de urina e colocada na centrífuga de 3 a 5 minutos. Após este procedimento obtém-se a sedimentação de certos elementos. Esses elementos são divididos em dois grupos: elementos orgânicos e elementos inorgânicos Os elementos orgânicos são de maior importância sob o ponto de vista clínico. São eles: células epiteliais, células tumorais, leucócitos, hemácias, cilindros urinários (protéicos, gordurosos, leucocitários, hemáticos e epiteliais) e elementos como bactérias, leveduras, espermatozóide, gotas de gordura e protozoário. Os elementos inorgânicos são representados por diversos tipos de cristais e depende da sua concentração para estar ou não relacionado a uma patologia.

ü Análise quantitativa de urina: outras substâncias podem ser dosados na urina no intuito de constatação diagnóstica e/ou controle terapêutico. Destacam-se: ácido vanilmandélico, 17KS e 17OH, ácido úrico (cálcio, cistina e fósforo) e glicose.

Ac. Elaine C. Gorobets

Colaborador de conteúdo eletrônico – SBU - SP

Glossário

Uretrite – doença inflamatórias e infecciosas da uretra.

Cistite – doença inflamatórias e infecciosas da bexiga.

Pielonefrite – doença infecciosa do trato urinário ascendente que atingiu a 'pielo' (pelve) do rim.

Pionefrose: Distensão do rim com a presença de pus e destruição supurativa do parênquima renal. Freqüentemente está associada com obstrução renal e pode levar a uma perda total ou parcial da função do rim.

Urobilinogênio: Produto da degradação da bilirrubina, formado por ação da flora intestinal, precursor da urobilina, encontrando-se em pequena quantidade na urina.

pH: uma medida que indica se uma solução líquida é ácida (pH < 7), neutra (pH = 7), ou básica/alcalina (pH > 7).

Estafilococo saprofítico: tipo de bactéria.

Densidade: número de partículas dissolvidas dentro de uma substância (neste caso urina).

Íons: é uma espécie química eletricamente carregada, geralmente um átomo ou molécula que perdeu ou ganhou elétrons. Íons carregados negativamente são conhecidos como ânions, (que são atraídos para ânodos), enquanto íons com carga positiva são denominados como cátions (que são atraídos por cátodos).

Uréia: um composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O) uréia forma-se principalmente no fígado, sendo filtrada pelos rins e eliminada na urina ou pelo suor, onde é encontrada abundantemente.

Prepúcio: prega de pele que cobre a glande do pênis.

Litotomia: operação cirúrgica para extrair cálculos da bexiga.

Decúbito horizontal ventral: deitada de barriga para baixo.

Luz vesical: interior da bexiga.

Corpos cetônicos:acetoacetato, beta-hidroxibutirato, cetona. São substâncias solúveis em água que são produtos derivados da quebra dos ácidos graxos para fornecer energia no fígado e no rim. São usados como fonte de energia no coração e no cérebro. No cérebro são fonte vital de energia durante o jejum.

Cilindros urinários: parte do exame microscópico normal de sedimento urinário (isto é, o material que fica centrifugado no fundo do tubo). Os cilindros se formam como géis translúcidos incolores a partir de proteína nos túbulos dos néfrons.

Cistina: é um aminoácido natural, formado pela dimerização da cisteína em condições oxidantes, presente na urina e em cálculos biliares e renais e, sob forma combinada, em proteínas.

Urologia de A-Z O que é urocultura?